Formação continuada de professores “no” e “para” o trabalho: questões e reflexões a partir da teoria crítica da sociedade

Anoel Fernandes

Resumo


O presente artigo reflete sobre a necessidade de formação continuada de professores – tema consensual nos debates acadêmicos e nas formulações políticas. Buscou-se na literatura algumas ponderações sobre a formação docente no e para o trabalho, para, em seguida, propor a noção de formação com base na teoria crítica da sociedade, especificamente nas formulações de Theodor Adorno. Destacou-se que a formação docente, tal como vem ocorrendo, é pseudoformação, uma vez que tem em sua gênese um sentido heteronômico, impossibilitando aos sujeitos a formação em seu sentido lato.

 


Palavras-chave


formação continuada; formação docente; trabalho docente.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.100i254.3836

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.





Rev. Bras. Estud. Pedagog., Brasília, DF, Brasil. e-ISSN: 2176-6681

Licença Creative Commons A Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

EdubaseDiadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas BrasileirasLatindex
EZ3 - Elektronische ZeitschriftenbibliothekOEI - Organización de Estados IberoamericanosIbict
Public Knowledge ProjectDOAJ - Directory of Open Access JournalsREDIB - Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico
 Public Knowledge Project