“Licenciatura em Educação Básica Intercultural”: avanços, desafios e potencialidades na formação superior de professores indígenas

Palavras-chave: ensino superior intercultural; formação de professores indígenas; licenciaturas interculturais.

Resumo

  No Brasil, a partir da Constituição Federal de 1988, a educação indígena e a educação intercultural foram ganhando certa relevância nas agendas governamentais e passaram a ter maior protagonismo nas instituições de ensino superior. Nas últimas duas décadas, em várias universidades públicas do País, foram criados programas de caráter intercultural para a formação de professores indígenas. Este artigo de abordagem analítico-interpretativa enfoca o curso de Licenciatura em Educação Básica Intercultural da Universidade Federal de Rondônia (Unir) e tem como objetivo dar visibilidade a avanços, desafios e potencialidades da formação de indígenas, em relação ao propósito da proposta intercultural no ensino superior. Sua relevância está no fato de que a formação superior de professores indígenas ressignifica uma luta política histórica e representa o ressurgimento de reivindicações educacionais e culturais dessas populações. Este estudo é de natureza exploratória e tem como principal insumo material bibliográfico e documental. As fontes primárias de informação consistiram em documentos legislativos e institucionais, os quais foram revisados tomando por base o conceito de interculturalidade crítica. Foi possível identificar que, em nível institucional, apesar dos potenciais sociais e dos avanços que foram obtidos até hoje, ainda existem várias falências que dificultam a forma de proceder e garantir a inclusão e a democratização no ensino superior.

           

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laura Marcela Cubides Sanchez, Universidade Federal do Amazonas (Ufam). Humaitá, Amazonas, Brasil.

Mestra em Ensino de Ciências e Humanidades pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam). Humaitá, Amazonas, Brasil.

Fabiana Soares Fernandes Leal, Universidade Federal do Amazonas (Ufam). Humaitá, Amazonas, Brasil.

Doutora em Psicologia pela Universidade do Porto. Porto, Portugal. 

Publicado
16-08-2021
Seção
Estudos