Modelos de valor agregado no ensino superior: uma contextualização histórica da experiência brasileira

Palavras-chave: eficácia escolar; ensino superior; qualidade do ensino superior.

Resumo

A avaliação da qualidade das escolas tem sido objeto de pesquisas de economistas, educadores, formuladores de políticas e vários stakeholders em todo o mundo. No Brasil, o Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior (Sinaes) é uma iniciativa que busca avaliar os programas de graduação do País, seus professores e o desempenho dos estudantes, além de fornecer indicadores de qualidade que explicam a diferença entre esses programas. Um deles é o Indicador de Diferença entre Desempenhos Observado e Esperado (IDD), que mede a contribuição de um programa de graduação para o desempenho dos seus estudantes. Desde 2006, os legisladores vêm mudando a metodologia de cálculo do referido indicador, buscando aprimorá-la como uma medida precisa do valor agregado. Esta pesquisa tem como objetivo discutir essas alterações e seus impactos no ranking dos cursos de graduação em Contabilidade no Brasil. Um design quantitativo foi utilizado para testar quatro modelos de valor agregado registrados nos históricos do IDD e para identificar o impacto dessas mudanças metodológicas. A amostra foi composta por 30.668 estudantes de 911 cursos de Ciências Contábeis. Os resultados mostram que o modelo atual é mais preciso do que os anteriores. No entanto, tanto a literatura quanto os resultados indicam que o modelo pode ser aprimorado com a introdução de variáveis ​​explicativas para o desempenho acadêmico que não podem ser controladas por instituições de ensino superior. O IDD ainda é inadequado porque considera todas as instituições e todos os estudantes como iguais.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vivian Duarte Couto Fernandes, Universidade Federal de Uberlândia/Faculdade de Gestão e Negócios

Doutora em Ciências Contábeis (Controladoria) pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Uberlândia, Minas Gerais, Brasil.

Gilberto José Miranda, Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Uberlândia, Minas Gerais, Brasil.

Doutor em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, São Paulo, Brasil.

Nicola Alexander, Universidade de Minnesota (Twin cities). Minneapolis, Minnesota, Estados Unidos.

Doutora em Administração Pública com Ênfase em Finança Pública pela University at Albany (SUNY). Albany, Nova Iorque, Estados Unidos.

Publicado
31-12-2020
Seção
Estudos